FAQ

Home » FAQ

 

CLaCS

É tratamento de vasinhos cuja sigla significa Cryo LAser Cryo Sclerotherapy. A técnica CLaCS é o que há de mais avançado no tratamento de vasinhos e veias proeminentes. Combina tecnologia de ponta como:

  • laser
  • escleroterapia
  • realidade aumentada
  • resfriamento da pele como anestesia.

Não existe comprovação científica comparando as duas técnicas. Os pacientes que fazem CLaCS relatam um menor número de sessões para eliminar os vasinhos.

Pode-se dizer que pelas técnicas utilizadas, a CLaCS atinge resultados ainda mais satisfatórios que as demais.

 

O alto fluxo de ar gelado direcionado para a pele no local da aplicação de laser ou agulha remove a maior parte do desconforto. A sensibilidade varia de pessoa para pessoa, a grande maioria tem pouco desconforto com o tratamento.

As veias começam a clarear após 2 a 3 semanas. Uma resposta completa pode demorar até 2 meses. A maior parte da resolução das veias será observada em cerca de um mês.

Cerca de 50% de limpeza das veias é habitual após a primeira sessão do CLaCS. Com tratamento continuado, o resultado pode evoluir ainda mais.

Algumas manchas roxas são esperadas na região tratada entre a primeira e a segunda semana. Tão logo as veias começam a desaparecer, a cor normal da pele retorna a normalidade.

Depende da extensão dos vasinhos e quanto o paciente quer ser tratado. O tratamento médio CLaCS dura cerca de uma hora. Se um paciente com muitos grupos de vasinhos quer a maioria ou todos tratados durante uma sessão de tratamento, um tempo adicional pode ser programado.

A CLaCS tem duração média de 1 ano, dado que ela trabalha as veias nutridoras. Após esse período é recomendável avaliar a evolução do quadro, fazendo uma nova avaliação. Eventualmente, poderão ser indicadas novas aplicações.

Não há necessidade de usar meias de apoio após o tratamento CLaCS. Em alguns casos, recomenda-se o uso de meias elásticas por um período de 6 horas após aplicação. Não há necessidade de usar meias de apoio após o tratamento CLaCS.

Não há limitações após o tratamento. Um paciente pode retornar ao trabalho e às atividades habituais. O exercício é permitido também.

A CLaCS é uma técnica segura. Alguns incovenientes podem acontecer:

  • coágulos minúsculos podem se desenvolver nos vasinhos ou nas veias que são tratadas. Estes não apresentam risco, não viajam na circulação e são limitados a essas veias;
  • não há aumento do risco de trombose venosa profunda;
  • o risco de coloração da pele na cor do ferro em coágulos existe, mas é menor do que na escleroterapia tradicional;
  • a formação de bolhas na pele a partir da aplicação do laser é muito rara.

Existem várias razões pelas quais CLaCS é superior em resultado de outros tratamentos de vasinhos. Uma razão principal é que a combinação de laser e escleroterapia (injeção química dos vasinhos) é complementar e sinérgica: as duas funcionam melhor do que cada uma feita sozinha.

Outra razão é que as veias nutridoras, quando presentes, são vistas usando a realidade aumentada e são direcionadas para o tratamento. A presença de veias nutridoras não tratadas é a principal razão de insucesso do tratamento.

O tratamento de veias de alimentação que são vistas melhor usando a realidade aumentada é uma parte crucial do tratamento CLaCS.

Um paciente deve evitar o uso de quaisquer agentes artificiais de bronzeamento durante pelo menos 2 semanas antes do CLaCS. Após o tratamento, não há restrições ao CLaCS.

Entre as clínicas que fazem o tratamento CLaCS em Porto Alegre está a Clínica Zignani. Clique aqui para agendar sua avaliação médica.

A grande diferença entre a aplicação escleroterapia e a CLaCS é que a última conta com o uso do laser transdérmico e o resfriamento da pele. Ambas possuem em comum a injeção de líquido hipertônico nos vasos tratados.

Além disso, os efeitos e duração dos tratamentos possuem características diferentes. Sugerimos consultar a página CLaCS para maiores detalhes.

Sim, não há restrição nesse sentido. Porém, dadas as mudanças pelas quais o corpo da gestante passa durante a gestação, há maior incidência no aparecimento de varizes. Assim, recomenda-se esperar um período de 6 meses após o parto.

Não é possível determinar um padrão fixo. Cada paciente apresenta um quadro único que necessita ser corretamente diagnosticado. Com isso definido, é possível fazer um plano de tratamento.

Entre em contato e marque sua consulta.

Escleroterapia

Tecnicamente conhecidos como telangiectasias, os vasinhos são veias capilares dilatadas com menos de 2 mm de diâmetro. Eles são pequenos vasos sanguíneos azuis a vermelhos que se encontram perto da superfície da pele e ocorrem em linhas ou padrões semelhantes a teias.

Muitas das coisas que provocam vasinhos são difíceis de evitar, como a história da família. Não há cremes ou medicamentos disponíveis para evitar que as veias apareçam. Mesmo assim, para manter as pernas saudáveis, recomenda-se:

  • Elevar as pernas;
  • Usar meias de apoio;
  • Manter o peso ideal para reduzir o excesso de pressão nas pernas;
  • Evitar ficar sentada e em pé por muito tempo. Em viagens longas, você deve exercitar o músculo da panturrilha e, se possível, parar a cada poucas horas para caminhadas curtas.

Uma sessão típica de escleroterapia para remoção de vasinhos é relativamente rápida, durando cerca de 1 hora. O paciente poderá sentir uma leve sensação de queimação no local de aplicação do laser, além da picada da agulha. O uso do aparalho de resfriamento da pele tem o objetivo de aliviar esse desconforto.

Normalmente, os pacientes saem da clínica com pequenos curativos com algodão no local do tratamento Após 6 horas eles já podem ser removidos.

Isso pode variar dependendo do tamanho e da gravidade das veias da perna que estão sendo tratadas. Em geral, os pacientes necessitam de 3 a 6 sessões de escleroterapia com aproximadamente 30 dias de intervalo entre elas. Em raras ocasiões, alguns indivíduos não respondem à escleroterapia.

O preço do tratamento depende do tipo de tratamento, do tamanho da área e da quantidade de sessões necessárias.

As injeções são feitas com uma pequena agulha e muito superficialmente. Algumas pessoas sentem um pouco as picadas e aplicação do laser. A anestesia da escleroterapia é feita com resfriamento da pele a -20°C, diminuindo a dor do procedimento. O quão desconfortável elas são percebidas varia de uma pessoa para outra.

 

 

A maioria dos pacientes não apresenta complicações da escleroterapia. No entanto, alguns pacientes desenvolvem alterações no pigmento da pele em locais onde as veias são tratadas.

Complicações graves como coágulos sanguíneos de veias profundas e injeção arterial não intencional são estatisticamente raríssimos.

Sim, os procedimentos são realizados na nossa clínica e o paciente permanece acordado.

Haverá uma melhora de 50% dos vasinhos após apenas uma primeira sessão de escleroterapia. Após o tratamento poderão surgir pequemos hematomas no local da aplicação, que desaparecem entre 7 e 10 dias.

Após 30 dias da primeira sessão já é possível perceber o resultado definitivo da sessão. É fundamental que você continue com o tratamento para alcançar resultados duradouros.

O tratamento de escleroterapia leva aproximadamente de 30 minutos a 1 hora, dependendo da extensão e do tamanho da área a ser tratada.

A escleroterapia é um tratamento médico para as microvarizes. Assim, ela deve ser realizada somente por um cirurgião vascular.

Antes de se submeter ao tratamento é fundamental fazer uma avaliação médica para alinhar suas expectativas em relação ao resultado.

Em média, é realista a expectativa de redução de 50% da área tratada após a primeira sessão.

Você também deve estar ciente de que o procedimento trata apenas as veias das pernas que estão visíveis no momento. Escleroterapia é um tratamento para os sintomas e não a cura para a causa, outras veias podem se desenvolver.

A maioria das pessoas precisa de uma nova sessão a cada 1 ou 2 anos. Se você tem varizes subjacentes, recomenda-se consultar um especialista vascular para tratar os vasos maiores antes de tratar as veias superficiais menores.

Os efeitos colaterais são raros. Ainda assim, eventualmente podem ocorrer episódios de vermelhidão, inchaço no local da injeção, hematomas leves a moderados e coceira. Com vasos maiores, os hematomas podem durar mais tempo, pode haver desconforto e dor ao redor do local da injeção.

Recomendamos intervalos de 4 a 6 semanas entre os tratamentos para obter a máxima evolução.

Após cada sessão de escleroterapia espera-se uma regressão de aproximadamente 50% dos vasinhos na região tratada. É comum o aparecimento de pequenos roxos na região, as quais desaparecem em cerca de 5 a 7 dias. Já o aparecimento de inchaço na região tratada é incomum.

 

Varizes

Resumidamente, sim. As varizes tem um componente hereditário em 80% dos casos. Mesmo assim, uma alimentação saudável levará a um corpo mais saudável e, consequentemente, pode influenciar o não aparecimento de varizes.

Por exemplo, comer frutas e legumes mais coloridos e alimentos ricos em fibras, evita a obesidade e a constipação, ambos fatores agravantes das doenças venosas.

Não. Pelas técnicas utilizadas, a CLaCS atinge resultados mais satisfatórios. É um método mais rápido e menos dolorido que a escleroterapia tradicional e pode evitar a cirurgia convencional de varizes em aproximadamente 80% dos casos.

Enquanto qualquer pessoa pode sofrer de varizes, as mulheres são mais propensas a desenvolvê-las do que os homens. Mulheres grávidas tem uma predisposição mais elevada, principalmente após a segunda gestação. Também é válido lembrar que cerca de 42% dos homens sofrem de insuficiência venosa aos 60 anos de idade. Independentemente do seu sexo ou idade, as pessoas com histórico familiar de varizes geralmente têm maior probabilidade de desenvolvê-las.

Objetivamente, não. As telangiectasias, popularmente conhecidas como vasinhos, tem coloração mais escura e costumam ser mais visíveis, porém raramente “saltam” na pele como as varizes. Eles causam queimação localizada e muito desconforto estético.

Podem ser um tratamento altamente eficaz para pacientes com varizes ou outra insuficiência venosa crônica. Aplicando pressão direta nas veias afetadas, essas peças estimulam o fluxo sanguíneo, auxiliando no bombeamento do sangue de volta ao coração. Assim, reduzem a inflamação e impedem que o sangue se acumule nas veias doentes das pernas.

Mesmo assim, meias de compressão devem ser usadas para complementar um plano de tratamento. Como existe uma ampla gama de meias, você deve sempre perguntar a seu médico sobre qual tipo de meia é melhor para você.

  • Após o tratamento, as meias de compressão devem ser usadas por 7 dias para evitar complicações.
  • As meias de compressão devem ser usadas 24 horas por dia durante 3 dias após o tratamento e durante o dia por mais 4 dias
  • A compressão ajuda a diminuir a probabilidade de o sangue voltar a entrar na veia, especialmente se estiver em pé ou se exercitar
  • A compressão reduz o risco de formação de coágulos sanguíneos e reduz a incidência de hiperpigmentação e esteiras após a escleroterapia

As varizes são veias que se tornam dilatadas e tortuosas de maneira anômala, geralmente devido a defeitos nas suas válvulas. As varizes são por vezes de cor azulada, sobressaindo da superfície da pele e têm frequentemente uma aparência sinuosa.

A atividade física deve ser estimulada em pacientes que possuam doença venosa.

Por exemplo, caminhar, nadar e exercitar-se em bicicleta ergométrica são atividades mais suaves e de baixo impacto. Estas práticas auxiliam o retorno do sangue ao coração, melhorando os sintomas relacionados a varizes.

Por outro lado, correr em superfícies duras e levantar pesos em excesso pode, às vezes, sobrecarregar o sistema venoso e também articular.  Independentemente da atividade, você deve usar calçados confortáveis e adequados sempre que se exercitar.

É importante ter claro que, por ser uma doença hereditária, mesmo após um tratamento de varizes bem sucedido podem surgir novas varizes. Recomenda-se que, após finalizado o tratamento das varizes, seja realizado um acompanhamento anual para manter sempre as suas pernas em dia. A consulta com cirurgião vascular permite definir o melhor tratamento indicado.

Quando não tratadas, as varizes podem evoluir para um estágio mais avançado de doença venosa crônica. Nesses caos, é comum o aparecimento de manchas acastanhadas ou marrons na parte distal das pernas, assim como feridas na pele e sangramento das veias. Também podem surgir coágulos em veias superificiais das pernas e eventualmente até mesmo trombose venosa profunda (TVP). Por mais desagradáveis que possam ser, as varizes podem ser facilmente tratadas. Se você tiver dúvidas ou estiver procurando tratamento, entre em contato e agende uma consulta.

A principal causa é a predisposição hereditária. Outros fatores são:

  • gestação;
  • sobrepeso e obesidade;
  • trabalho que exige muito tempo em pé ou sentado;
  • uso de contraceptivos orais.

Vale lembrar que 75% dos casos são registrados entre as mulheres.

Outros

Flebologia é o ramo da medicina que estuda as veias, suas patologias e os tratamentos para elas.

As úlceras venosas são as feridas que surgem nas pernas, mais comumente próximo a região do tornozelo, em decorrência da doença venosa não tratada em estágios mais iniciais. Elas podem surgir após pequenos traumas nas pernas, ou mesmo espontaneamente. Estas feridas interferem muito na qualidade de vida dos pacientes e devem ser tratadas assim que surgirem.