Telangiectasia: uma palavra complicada para uma situação frequente

Home » Blog » Telangiectasia: uma palavra complicada para uma situação frequente
Telangiectasia no rosto

Telangiectasia: uma palavra complicada para uma situação frequente

Hoje vamos falar da telangiectasia, um quadro cardiovascular que se manifesta em alguma de suas formas em grande número de pessoas ao redor do mundo.

A palavra telangiectasia soa complicada ao escrever ou falar, mas que com este artigo será fácil entender e saber o que fazer caso você tenha. Vamos aos detalhes.

O que são telangiectasias?

As telangiectasias são pequenas veias dilatadas encontradas logo abaixo da pele, normalmente com espessura inferior a 1 milímetro. A dilatação destas veias acaba ocasionando uma coloração mais escura no seu aspecto, do rosa, passando pelo vermelho mais escuro ou até mesmo roxo. Como estão próximas a superfície da pele, mesmo que de reduzidas dimensões, se tornam visíveis a olho nu.

Na maior parte dos parte dos casos, as telangiectasias significam apenas um desconforto estético. Sendo assintomáticas, não trazem prejuízo a saúde. Em alguns casos isso pode ser diferente e por esse motivo consultar um médico é sempre o caminho indicado.

Evidentemente, quanto mais clara for a pele, mais visível será a telangiectasia. Podem se apresentar em três formas:

  1. lineares: apresentando-se como pequenos riscos avermelhados ou azulados na pele;
  2. puntiformes ou papulares: apresentando-se como pequenos pontos saculares na pele;
  3. tipo teia de aranha: pela similitude com as teias de aranha, especialmente pelo emaranhado de fios, neste caso veias. Este tipo é chamado de telangiectasia aracneiforme ou aranha vascular.

Em função da semelhança visual entre elas, as telangiectasias também são impropria e popularmente conhecidas como microvarizes ou vasinhos.

Principais tipos de telangiectasias

Dada a natureza das telangiectasias, elas podem se manifestar em qualquer região do corpo humano. Neste artigo queremos nos referir especialmente as telangiectasias mais frequentes.

Telangiectasias raras e sintomáticas

Existem alguns casos bastante raros em que a telangiectasia deve ser investigada com maiores detalhes, uma vez que fazem parte de uma doença sistêmica mais complexa. São as seguintes síndromes:

  • Klippe-Trenaunay-Weber: se manifesta pela má-formação dos vasos sanguíneos em que as pernas tem crescimento assimétrico (por vezes de até 10 cm) e apresentam varizes;
  • Osler-Weber-Rendu: também conhecida como telangiectasia hemorrágica hereditária, é uma doença hereditária caracterizada pela má formação dos vasos sanguíneos, que pela sua fragilidade tem propensão a hemorragia;
  • Louis-Bar: também conhecida como ataxia telangiectasia, é uma doença neurodegenerativa que compromete a coordenação física de seu portador;
  • Sturge-Weber: doença que se manifesta no nascimento, de característica neurocutânea, em que o rosto apresenta uma grande mancha que pode variar do rosa ao roxo. Costuma estar associada a epilepsia.

Felizmente, estes quadros mais severos são a minoria. Como já evidenciado, na maior parte dos casos as telangiectasias são apenas dilatações de vasos sanguíneos que causam incômodo estético. Vejamos onde elas se manifestam mais frequentemente.

Telangiectasia no rosto

As aranhas reticulares são bastante frequentes no rosto, em especial nos lábios e bochechas e nariz. A cor destes vasinhos é quase sempre vermelha e não trazem risco a saúde (exceto nos casos das síndromes listadas acima).

Nesta imagem de um nariz com telangiectasia se pode perceber com clareza o aspecto “teia de aranha” que escrevemos acima:

Telangiectasia no nariz de um homem idoso
Telangiectasia no nariz

Estes casos costumam surgir em correlação com a exposição solar. Assim, o uso de protetor solar é benéfico para evitar estes casos.

Além disso, também para o rosto, vale sempre a regra: a qualidade da circulação sanguínea é o grande fator de prevenção das telangiectasias. No artigo sobre dicas para melhorar a circulação sanguínea listamos outros comportamentos benéficos.

Telangiectasia nas pernas

As pernas são a outra região do corpo humano onde as telangiectasias se manifestam com mais frequência. Nestes casos é de uso comum os termos “vasinhos” ou mesmo em alguns casos de microvarizes.

Na verdade, os vasinhos e as varizes tem causas e desenvolvimento idênticos, sendo a herança familiar o principal responsável pelo seu aparecimento. Secundariamente, hábitos sedentários, sobrepeso e má alimentação também estão entre as principais causas das microvarizes e varizes. O que os diferencia é o tamanho. Enquanto os vasinhos nas pernas (telangiectasias) costumam ter diâmetro reduzido, não superando nunca 1 milímetro, as varizes superam esta medida.

Ainda, os vasinhos não apresentam “piora” ao longo tempo, porque o vaso sanguíneo já se dilatou em grau máximo. Este não é o caso das varizes, que podem se desenvolver ao longo do tempo.

Existem ainda casos em que as telangiectasias e as varizes se manifestam ao mesmo tempo no paciente. Nestes casos, cada quadro tem tratamento específico. A esse propósito, vamos examinar como tratar as telangiectasias.

Tratamento para a telangiectasia

Como vimos anteriormente, as telangiectasias são assintomáticas e não costumam representar risco de saúde ao portador. Contudo, algumas pessoas optam por tratar as telangiectasias pelo aspecto estético, que causa desconforto.

Telangiectasia na coxa
Telangiectasia na coxa

Diante disso, atualmente a medicina oferece dois tratamentos, cuja aplicação requer diagnóstico por um médico. São eles:

  1. escleroterapia com espuma: neste caso, finíssimas agulhas são introduzidas nas veias prejudicadas, onde um líquido esclerosante é utilizado para o fechamento do vaso sanguíneo. Com a cicatrização e o passar do tempo estes vasos serão integralmente absorvidos pelo corpo. É especialmente utilizado em telangiectasias nas pernas.
  2. secagem de vasinhos a laser: este é um termo bastante utilizado e na verdade também é uma modalidade escleroterapia, porém com o uso do laser. Caso a região a ser tratada seja nas pernas, esta técnica é conhecida como CLaCS. Leia mais sobre o método CLaCS com todos os detalhes sobre a técnica não invasiva que usa o laser para tratar as telangiectasias. Já no caso de vasinhos no rosto, será a dermatologia a utilizar o laser no tratamento das veias.

Certamente o seu médico será capaz de indicar o melhor tratamento, sendo que em alguns casos tanto um quanto outro poderão ser aplicados.

Como é sabido, a tecnologia tem contribuído enormemente para o avanço da medicina, de maneira que hoje é possível contar com ferramentas como o vein viewer. Este equipamento de realidade aumentada permite visualizar em tempo real e com perfeição a área a ser tratada. Assim, o médico terá condições de ser ainda mais preciso no tratamento. Veja como funciona:

O mais importante

Cultive hábitos saudáveis, seu corpo agradecerá e retribuirá com saúde. Felizmente, na maior parte dos casos quando fala-se em telangiectasias ou vasinhos trata-se de casos estéticos e que possuem soluções cada vez menos invasivas. Consulte seu médico para saber suas opções.