Formigamento nas pernas: sinais, causas e o que fazer

Home » Blog » Formigamento nas pernas: sinais, causas e o que fazer

Você já sentiu aquela sensação estranha de formigamento nas pernas e se perguntou o que poderia ser?

Muitas vezes, esse fenômeno passa despercebido ou é rapidamente esquecido, mas em certas circunstâncias pode ser um sinal de algo mais significativo. Neste artigo, mergulhamos no misterioso mundo dos formigamentos nas pernas, explorando suas diversas causas e implicações. Desde condições médicas complexas até simples hábitos diários, descobriremos juntos o que está por trás desse fenômeno intrigante.

Continue lendo para descobrir o que está por trás dessas sensações passageiras de formigamento, numa leitura informativa e esclarecedora.

Vamos começar?

Formigamento nas pernas: o que pode ser?

Todos nós já tivemos em algum momento aquela sensação de dormência nas pernas, ou mesmo em outra região do corpo como os braços. Quando isso não acontece perdemos momentaneamente a sensibilidade e temos a reação natural de desconforto ao movimentar o membro afetado.

Na maior parte dos casos, o formigamento acontece quando uma perna ou outra área recebe pressão externa sobre um nervo ou ainda de maneira a dificultar ou mesmo impedir a circulação de sangue na região. Como reação a esta pressão prolongada temos aquela sensação conhecida como formigamento.

Quando o formigamento é passageiro e se dispersa com a retomada de uma postura adequada não há motivos para preocupação. Porém, nem sempre é assim e existem diferentes possíveis causas para formigamentos frequentes. Estes casos merecem cuidado e atenção por parte do indivíduo e possivelmente tratamento médico.

Vamos começar entendendo melhor os sintomas.

Sintomas de formigamento

Além do formigamento propriamente dito, alguns sintomas costumam acompanhar o estado de dormência das pernas:

  • queimação de pernas;
  • cócegas;
  • coceira;
  • dores;
  • aquela sensação de algo se mexendo por dentro. Alguns costumam relatar que “é como se houvesse insetos se movimentando dentro, mas não há nenhum”.

Em algumas situações, o formigamento nas pernas costuma ser mais frequente:

  • à noite, ao deitar-se na cama;
  • em quadros de ansiedade;
  • após a realização de uma cirurgia;
  • durante a gravidez;
  • especialmente na panturrilha da perna.

Como escrito acima, a simples ocorrência de formigamento não deve ser motivo de maior preocupação, já que a retomada de postura adequada causa o retorno da circulação normal. Porém, a repetição frequente do formigamento, especialmente quando associado a outros sintomas como a dor, deve ser motivo de investigação médica.

A esse propósito, vamos às causas da dormência nas pernas.

Causas do formigamento nas pernas

Não há uma única causa da dormência nas pernas conhecida como formigamento. Na realidade, existem múltiplas possíveis causas, remetendo a diferentes especialidades da medicina.

Assim, vejamos quais são as principais causas de formigamento. Para facilitar sua compreensão, separamos elas em quatro categorias.

Causas ligadas ao sistema nervoso

O primeiro grupo de doenças estão ligadas ao sistema nervoso, fundamental para o bom funcionamento de todo corpo humano.

Vejamos quais são estas condições médicas.

Esclerose múltipla

A esclerose múltipla é uma doença autoimune do sistema nervoso central que danifica a mielina, que reveste externamente os nervos. Esta condição pode levar a formigamento nas pernas, devido à interrupção da comunicação entre o cérebro e as extremidades. Os sintomas e a gravidade variam, mas o tratamento foca em gerir os sintomas e desacelerar a progressão da doença.

Mal de Parkinson

O mal de Parkinson é uma doença neurodegenerativa progressiva, caracterizada pela morte de células nervosas no cérebro. Isso gera dificuldades motórias como tremores, rigidez, movimentos lentos e problemas de equilíbrio.

Embora o formigamento não seja um sintoma central do mal de Parkinson, alterações nos nervos periféricos e dificuldades com o movimento podem ocasionalmente causar sensações anormais nas pernas. O tratamento se concentra no controle dos sintomas e na melhoria da qualidade de vida do paciente.

Síndrome de Guillain-Barré

A Síndrome de Guillain-Barré é uma doença autoimune rara onde o sistema imunológico ataca os nervos periféricos. Inicia-se tipicamente com formigamento e fraqueza nas pernas, que podem rapidamente progredir para paralisia muscular severa.

A causa exata é desconhecida, mas muitas vezes é precedida por uma infecção viral ou bacteriana. Terapias para fortalecer o sistema imunológico e suporte médico para gerir os sintomas compõem o tratamento.

Hérnia de disco

Detalhe da protrusão de uma hérnia de disco
Exemplo de hérnia de disco

A hérnia de disco ocorre quando o revestimento do disco se rompe, com o líquido se projetando para fora do mesmo, comprimindo os nervos adjacentes. Isso pode acontecer em qualquer região da coluna vertebral. A ocorrência da hernia pode causar dor, formigamento e dormência nas pernas, especialmente se o nervo ciático for afetado (ciática).

O tratamento varia desde fisioterapia e medicamentos até, em casos mais graves, cirurgia. Mudanças no estilo de vida, como exercícios regulares e manutenção de uma postura correta, podem ajudar na prevenção.

Síndrome de túnel tarsal

A síndrome do túnel tarsal é uma condição que ocorre quando o nervo tibial posterior é comprimido no ponto que passa pelo túnel, localizado no tornozelo.

Isso pode causar dor, formigamento e dormência na planta do pé e, em alguns casos, irradiar para as pernas. Esta condição pode ser resultante de lesões, deformidades no pé ou ainda inchaço devido a outras causas.

Seu tratamento inclui repouso, uso de palmilhas ortopédicas, fisioterapia e, em casos mais graves, cirurgia.

Polineuropatia

A polineuropatia periférica acontece quando múltiplos nervos do corpo são afetados pela dificuldade de irrigação sanguínea, especialmente nos pés e pernas. A polineuropatia pode resultar, além do formigamento e dormência, em fraqueza muscular e dor. As causas são variadas, incluindo diabetes, deficiências de vitaminas, efeitos colaterais de certos medicamentos, e condições autoimunes que dificultam a nutrição dos neurônios.

A abordagem terapêutica está condicionada à causa subjacente e passa pela gestão dos sintomas. Isso pode incluir medicação para dor, fisioterapia e mudanças no estilo de vida. A identificação precoce e o tratamento da causa são cruciais para prevenir a progressão da doença.

Dor de cabeça

A enxaqueca é um sintoma de diferentes condições médicas, podendo variar na sua gravidade. Embora não esteja diretamente associada a formigamentos nas pernas, a enxaqueca pode ser um prenúncio da ocorrência deles. Sintomas como náusea e vômito costumam estar associados nestes casos.

Causas ligadas ao sistema circulatório

As doenças que dizem respeito ao sistema circulatório são uma das principais causas de formigamento.

Acidente vascular cerebral (AVC)

O AVC (também conhecido como derrame cerebral) ocorre quando o fluxo sanguíneo para uma parte do cérebro é interrompido, levando à morte de células cerebrais. Os sintomas dependem da área do cérebro afetada e podem incluir paralisia ou fraqueza em um lado do corpo, dificuldades na fala e coordenação.

O formigamento nas pernas pode ser um sinal de AVC, especialmente se ocorrer repentinamente e de forma assimétrica, afetando apenas um lado do corpo.

O tratamento imediato é crucial e pode incluir medicamentos para dissolver coágulos ou cirurgia. Já a reabilitação pós-acidente auxiliará a recuperar as funções perdidas.

Dificuldades de circulação nas pernas

A dilatação ou o refluxo das veias da região causam má circulação sanguínea. Outros fatores como gravidez, diabetes, hipertensão, envelhecimento e um estilo de vida sedentário podem acentuar esta dificuldade.

Esta má circulação deficiente pode levar desde a sintomas mais leves como formigamento, inchaço, dor localizada e pele seca até flebite, surgimento de varizes ou alguma condição dentro do quadro da insuficiência venosa crônica.

Doença arterial periférica

A doença arterial periférica (DAP) é uma condição em que as artérias nas pernas ou braços ficam estreitas ou obstruídas, geralmente relacionado a aterosclerose. A DAP reduz o fluxo sanguíneo para os membros, podendo causar dor, cãibras, e em casos mais graves, formigamento ou dormência.

Idosos apresentam mais comumente a doença, assim como pessoas com fatores de risco como tabagismo, diabetes e hipertensão. A melhoria da circulação sanguínea costuma ser a melhor abordagem para mitigar os sintomas, que pode incluir mudanças no estilo de vida, medicamentos e, em casos severos, procedimentos cirúrgicos para desobstruir as artérias.

Síndrome Raynaud

A síndrome de Raynaud afeta o fluxo sanguíneo para certas áreas do corpo, geralmente os dedos das mãos e dos pés. Devido à diminuição e subsequente aumento do fluxo sanguíneo ela se caracteriza por episódios em que os dedos mudam de cor: primeiramente branco, após azul e, quando a circulação arterial é retomada, vermelho.

Pode causar formigamento, dor e sensação de frio nas áreas afetadas. A síndrome pode ser primária (sem uma doença subjacente associada) ou secundária (associada a outras condições médicas). Na maior parte dos casos a síndrome se resolve por si mesma. Seu tratamento inclui proteger as áreas afetadas do frio, técnicas de relaxamento para melhorar a circulação e, em alguns casos, medicamentos para dilatar os vasos sanguíneos.

Causas ligadas à psique

Embora sejam causas menos evidentes enquanto psicológicas, também existem quadros psicológicos que podem desencadear a dormência nas pernas, associada a outros sintomas.

Vamos ver os mais frequentes.

Fobia, medo ou pânico

Estas são respostas psicológicas intensas a certas situações que podem desencadear sintomas físicos, incluindo formigamento nas pernas. Isso acontece quando o sistema simpático é acionado em resposta de “luta ou fuga” do corpo, que prepara os músculos para ação, podendo resultar em sensações como formigamento ou dormência.

As crises de pânico, em particular, podem causar formigamento juntamente com outros sintomas como taquicardia e falta de ar. O tratamento geralmente envolve terapias comportamentais, como a terapia cognitivo-comportamental, e, em alguns casos, medicação para gerir a ansiedade.

Hiperventilação

A hiperventilação ocorre quando uma pessoa respira de forma rápida e superficial, o que pode levar a um desequilíbrio dos níveis de dióxido de carbono no corpo. Isso frequentemente resulta em sintomas como tontura, palpitações cardíacas, e formigamento nas extremidades, incluindo as pernas.

Ela pode ser causada por ansiedade, pânico ou estresse. O tratamento envolve técnicas para controlar a respiração, como a respiração diafragmática, e abordagens para lidar com a causa subjacente, como terapia para ansiedade ou estresse. Em casos de hiperventilação crônica, pode ser necessária a intervenção de um profissional de saúde para tratamento e orientação adequada.

Distúrbios somatoformes

Distúrbios somatoformes são condições psicológicas em que uma pessoa experimenta sintomas físicos sem uma causa médica identificável. Isso inclui formigamento nas pernas, que pode ser percebido como real, apesar da ausência de uma causa física.

Estes sintomas não são intencionalmente produzidos ou simulados, mas são uma manifestação psicológica de ansiedade, estresse ou conflitos internos.

O tratamento envolve uma abordagem psicoterapêutica, muitas vezes incluindo a terapia cognitivo-comportamental, e às vezes o uso de medicamentos para tratar a ansiedade ou depressão associadas. O manejo eficaz requer uma abordagem integrada que aborde tanto a saúde mental quanto física.

Toxinas

Por fim, mesmo alguns medicamentos podem acabar se revelando tóxicos ao organismo de algumas pessoas, causando diversos sintomas, inclusive o formigamento.

Alguns medicamentos imunossupressores ou imunomoduladores

Estes tipos de medicamentos são usados para suprimir ou modificar a resposta imunológica do corpo e são comumente prescritos em condições autoimunes ou após transplantes de órgãos.

Embora sejam eficazes para o tratamento dessas condições, podem ter efeitos colaterais, incluindo o formigamento nas pernas. Isso pode ocorrer devido a alterações na função nervosa ou circulatória causadas pela modulação do sistema imunológico.

O gerenciamento desses efeitos colaterais envolve ajustar a dosagem ou mudar para um medicamento diferente sob supervisão médica, juntamente com o monitoramento contínuo da condição subjacente.

Alguns medicamentos para o tratamento de câncer que contenham platina

Alguns dos medicamentos para o tratamento de câncer à base de platina podem causar formigamento, dor ou dormência nas extremidades, incluindo as pernas. Este é um efeito colateral comum e pode ser dependente da dose.

Para contrabalançar seus efeitos poderá ser indicada a redução da dose do medicamento utilizado na quimioterapia, além do uso de medicamentos para aliviar os sintomas. É importante discutir qualquer sintoma com o oncologista responsável.

Estatinas

A estatina é um medicamento usado para reduzir o colesterol, prevenindo doenças cardíacas. Embora seja geralmente bem tolerada, ela pode causar efeitos colaterais em alguns indivíduos, incluindo dor muscular, fraqueza e, em casos raros, formigamento nas pernas. Este efeito pode ser resultado de alterações na função muscular ou nervosa.

É importante monitorar regularmente a função muscular e nervosa em pacientes que utilizam estatinas. O manejo desses sintomas pode incluir ajustes na dosagem, a troca para uma estatina diferente ou a suspensão temporária do medicamento, sempre sob orientação médica.

Alguns medicamentos para doenças cardiovasculares como arritmia e insuficiência cardíaca

Medicamentos como betabloqueadores, antiarrítmicos e diuréticos são vitais para o controle de algumas condições cardiovasculares. No entanto, seus efeitos colaterais podem levar a sensações de formigamento nas pernas, devido a alterações na circulação sanguínea e equilíbrio eletrolítico.

Este sintoma pode ser particularmente notado em medicamentos que interferem na pressão sanguínea ou o equilíbrio de fluidos. Para minimizar os efeitos colaterais deve-se ajustar a dosagem ou mudar para um medicamento diferente, sempre sob cuidadosa supervisão médica.

Nestes casos, é fundamental monitorar regularmente a função cardiovascular e os níveis eletrolíticos para otimizar o tratamento.

Solução para o formigamento nas pernas

Ufa, como existem motivos para o formigamento nas pernas, não? Olha que nem listamos todos.

A adoção de hábitos de vida saudáveis sempre será favorável a saúde, ao menos dificultando o surgimento de qualquer sintoma, inclusive o formigamento nas pernas. Hábitos que certamente passam pelo sono, por fazer atividade física com regularidade, além de nutrição equilibrada.

Outra prática que contribui a evitar o formigamento nas pernas é visitar seu médico com regularidade, fazendo exames para monitorar seu corpo. Como já diz o ditado, melhor prevenir que remediar. Mas quando for necessário intervir, a medicina conta com recursos para resolver ou ao menos mitigar o quadro que o indivíduo enfrenta.

Como vimos acima, conforme a origem do formigamento haverá um tratamento diferente a ser seguido. Nestes casos é fundamental contar com auxílio médico para ter a abordagem correta e assim eficácia na terapia.

Para aprofundar o tema, leia também estas fontes: